Translator

terça-feira, 31 de maio de 2011

Noites frias... 15 de agosto de 2009



Quis degustar culinárias antigas por mim muito apreciadas.
E poder reviver nosso deleite.
Um pouco daquele gosto de coisa perdida, que ainda não exala cheiro de podre.

Você sempre o mesmo, não me surpreendeu, arrogante e machista, extremamente interesseiro, foi correndo me encontrar.

No entanto carinhoso de uma forma hostil e provocante, agradável e quase sempre muito obediente. Não que eu goste de mandar, mas obedece aos meus padrões, não só por conhecê-los, mas por ser conveniente a você.

Desta vez, para mim, não foi igual, e ainda bem que não. Significa que acabou, nosso fogo, nossa paixão. O restinho do que já estava morto. Como sempre muito teimosa, tive que confirmar. Só para ter certeza mesmo.

Me encosta na parede, me segura forte nos seus braços, e não pense que ainda gosto disso, mas deixo você pensar que sim.
Embora o SR. não acredite. Pode ser muito doloroso para um homem pensar que perdeu o reinado.

Naquela fria e silenciosa de inverno, éramos só nós dois, literalmente encarcerados, enquanto você me admirava. Era melhor ligar o som, pra quebrar toda aquela monotonia, como "antigamente", o quanto gostamos disso. Senti frio, seu calor não me aquecia.

Vivi intensamente aquele momento, da maneira mais tórrida e fria, e que eu desconhecia existir.

Melhor assim, não me magoei. Não fiquei triste tampouco feliz, também não posso dizer que nada senti. Simplesmente preferi não sentir. Só viver. Já que havia feito a escolha...
E eu disse que ia escrever sobre isto.

Procuro ser agradável, fazer com que as coisas, por mais que inúteis e desvantajosas, valham a pena.
E mesmo que ruins, tento vive-las intensamente, pra depois ter a convicção de que: "assim não", não gosto assim, prefiro assado...

Preferi não prolongar, não só pelas circunstancias, mas pra não desperdiçar mais tempo.
E por que gosto de me produzir, ficar a vontade para maquiar, me pentear e me trocar com calma depois do banho, sem precisar usar espaço alheio. Mas agradeço cortesia.

Volta e meia a gente comete um erro antigo novamente, talvez por que tenha esquecido ser errado, ou por pensar que errar é humano, e ser demasiadamente, humano com carne fraca.

Não guardarei mágoas, e se verdadeira for, sua amizade sempre estará em meu peito.
Agora não somos mais homem e mulher, sim nada mais que bons e velhos "amigos".
Consideração e respeito. E precisa de mais alguma coisa?!

"Pra ser sincero eu não espero de você, mais do que educação..."

"Somewhere in a hidden memory
Images float before my eyes
Of fragrant nights of straw and of bonfires
And dancing till the next sunrise."

sábado, 28 de maio de 2011

Interrompido

O que era um "inteiro"
Dividiu-se ao meio
Continua sendo metade.
Metade de uma história,
metade de um acerto
meio duvidoso.
Meias noites,
poucas viagens,
meias verdades.
Preto e branco
meio acinzentado.
Meio romântico,
meio trágico.
Uma parte de mim ficou
a outra se vai...
A que amou.
Meio ano quase.
Uma parte insignificante
de um lindo romance.
Meio vivido.
Meio doloroso,
mas aliviante.
Parte de um sonho.
Meio pesadelo.
Metade de tudo que
haveria de ser.
Que surgiu no meio de
um outro fim.
Que talvez ainda esteja
no meio de uma mente
perdida.
Continua sim sendo metade,
meio estranho.
Metade de tudo que acreditei.
Meio inexplicável.
Bastante intenso.
Meio triste.
Metade de um suspiro.
Parte de alguma sobra.
Meio desgastante.
Muito produtivo,
meias palavras,
alguns poemas.
Meio contraditório
Um copo de m[água]
Metade cheio,
metade vazio.
Paradoxo.
Início de um ciclo,
interrompido,
metade de um fim.

E de um coração partido.

terça-feira, 24 de maio de 2011


Sair distante pra degustar uma massa as vezes pode ser significante,

pra quem trabalha afinco, parece digno e merecido.

Dirigir um carro sem muita experiência, a 105km por hora

parece arriscado, não mais que escolher o "perfume",

Endless Love or Pure Seduction?!

Maquilagem suave. Salto agulha,

casaco longo. Cor de gelo. Cabelo bem tratado. Gosto disso.

Saudades de casa, do vento gelado e da mamãe.

Frio deixa as pessoas mais finas. E debaixo de tantas roupas.

Todo é gente. Toda gente é humana. E sente frio.

Sente vergonha, tem pudor! Complexos. Preconceitos.

Tabu. Hipocrisia! E dentro da mente tem muitas outras coisas,

nem sempre complexas, mas de ser a ser, se fosse, ninguém entende

muito, o complexo pode ser simples pra um, e inacessível para outrem.

Tudo depende do âmbito, do âmago e dos conceitos, da visão.

É relativo, como tudo que rela, é relacionado.

Individualizado. Adjuntos ou adnominais ou não, façamos parte

do contexto - Degenerado e oneroso.

PS: São ótimas fragrâncias!

Durante a noite, elas chamam os anjos.

sábado, 21 de maio de 2011

Teoria dos jogos

Enfatizando,
a teoria
dos jogos,
dentro e
fora da
administração.
Análises
estratégias,
prejuízos,
custos,
benefícios,
tomadas
de decisão,
depois
da vírgula;
o ponto.





(...)






Sempre existe algum dilema.
E desde a primeira vez.
Algo despertou em meu coração.
E eu me afastei
por que Deus me chamou.

Bem, eu poderia dizer
que não sei exatamente
o que estava fazendo,
e nem por que!
Há tempos venho pensando
em minhas atitudes,
reparando minhas falhas,
revendo meus conceitos
e aprimorando minhas decisões.
A propósito,
esse é processo constante.

Não temo as mudanças,
que seja sempre pra melhor.
Que traga consigo progresso
que tenha como foco
evolução.

Você não escolhe as pessoas,
o destino as coloca no caminho,
e todas tem um por que.
Por mais que seja enganoso,
oportuno, lógico, passional,
verdadeiro ou surreal.
Tudo tem um motivo.
E sempre faz crescer.

Eu não entendo muito por que.
Mas sempre vem com meus pensamentos
boas vibrações, vontade de vencer.
Acho que vitória
é uma palavra que combina
Combina com seu estilo de viver.

E esse tempo que passei
me dedicando a outras coisas,
por que tento sempre ajudar,
acho que assim me ajudo muito também.
Não me fortaleço a custa de fraquezas.
Tampouco ousaria zombar disso.
Pois felizmente, é conseqüência.
A vida é feita de escolhas,
quando você dá um passo a frente
alguma coisa ficará para trás.

Acho que combino com vitória.
Mesmo nas derrotas.
Só mais um suspiro!
Posso descansar
de toda essa turbulência,
posso me deitar no travesseiro,
sentir a noite serena, lençol macio
e cheiro de Jasmim.

Posso ver o futuro
a expectativa depositada
naquela noite de verão
nem mesmo eu pude ver,
o poema que escreveste
sem nunca possuir e
tantas vezes sem se ver.
Confesso que ainda
é difícil de acreditar!

E eu fiquei pensando nisso.
Também mexeu comigo.
Espero que sinta orgulho!
Sim, eu gosto.
Isso me orgulha bastante.
Orgulho de ser assim.
Pela força e a frequência
dos resultados.

E não me canso disso.
Não é só por que "isso" existe
e tantas outras coisas incomum.
Isso é raro.
É fé, é amor às coisas que se faz,
é respirar e sentir o coração bater,
é vontade de viver!



-Constantemente.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Por que o fracasso dói tanto?
E quando a gente sabe disso
tenta mudar inúmeras vezes
e ainda sente fracassado?
Por que a impressão
de que as coisas "não vão bem"
é sempre maior do que
como elas realmente se vão?
E quando as coisas se vão,
como um dia mal vivido.
Uma oportunidade perdida.
Uma palavra mal pronunciada,
ou não profetizada.
Será pode se recuperar?
Ou o apendizado
é maior do que o próprio erro?
Será que um dia
alguém vai conseguir fazer tudo
da maneira "certa"?
Ou será que não existe
nada "certo"?
Ou incerto.
Se tudo fosse garantido
talvez não teria tanta graça.
Se as coisas fossem fáceis
a vida seria melhor?
Ou seria um tédio?
Se pudesse ficar deitado até tarde,
acordar e não fazer nada,
fosse muito rico,
não tivesse que trabalhar.
Será que teria vontade de que?


Não é insatisfação.
Só curiosidade.
Não é indignação.
Só dificuldade.
Não é tristeza.
Só melancolia,
Não é drama.
Nem alegria.
Não é nada.
Só poesia!

Imagem (Luiz Zilhão)

domingo, 8 de maio de 2011

Eu penso as vezes na minha solidão...
Sinto um vácuo dentro de mim.
As palavras fogem e as pessoas não saciam.
Tenho vontade de gritar e de ficar em silêncio.
Penso em tudo que passou, penso na
ausência das palavras, penso que isso no fundo
me faz muita falta.
Eu fico me guardando dentro de mim.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Antíteses.

Idealizo a perfeição
mas sou tão imperfeita.
Quero o máximo de tudo,
mas quase sempre só doo
a metade de mim.
Tento ser pacífica,
e acabo ficando "apática".
Vivo intensamente.
E vezes pareço sem vida,
a vida se compacta dentro de mim.
Oscilamos entre tristeza e felicidade.
Entre 8 e 80.
Não é que as antíteses se igualem
Nem os opostos se atraiam.
Mas tudo é tão efêmero,
e tão duradouro,
e logo depois da chuva vem o sol,
depois de sentir muito frio
Coloco um casaco quente...
Quando sentir fome,
ao comer sente-se extremamente
Satisfeito.
Amor ou razão?!
E eu repito,
sem o amargo o doce não seria tão doce!