Translator

domingo, 22 de novembro de 2009

Where is the love?




Não importa de onde você vem, e nem pra onde vai, mas sim o que carrega consigo, isso obviamente inclui a educação, criação, e os famosos “bons modos”. Que variam: lugar, cultura, influências, etc.

Em uma metrópole onde o tempo é corrido, e tem grande população, é um pouco diferente da vida “interiorana”.
Cresci numa cidade pequena de MG, e além da essência mineira, tenho alguns costumes característicos. Confesso que a maioria deles estão vindo a tona depois que passei a morar no RJ. Apesar de gostar muito de morar aqui, ainda há coisas pequenas, que só existem em pequenas cidades... Coisas simples da vida! Como o hábito de parar o carro para o pedestre, de chamar os amigos para um almoço em casa, deixar o carro aberto, tocar violão na praça, andar a noite pelas ruas. Coisas que tornam facilmente as pessoas mais próximas e os vínculos mais sólidas...
Enfim, é diferente. Mas sempre há exceção há regra. E o invariável em qualquer lugar do planeta, é o fato de todos serem humanos.
Em contrapartida os contemporâneos, já não são demasiadamente “humanos”, tampouco estão voltando às origens, pelo contrário, continuam bastante “racionais”...Não tanto quanto os gênios da antiguidade (Isaac Newton, Voltaire, Beethoven, Albert Einstein, Da Vinci, Rousseau, Aristóteles, Platão, Sócrates, Tales de Mileto, Henri Ford...) que iniciaram, adiantaram bastante, o processo evolutivo do homem.
Sem desmerecer os gênios atuais (Bill Gates, Dalai Lama, Garry Kasparov, Kim Ung-yong, OSCAR NIEMEYER...)

Mas quero falar de algo um pouco mais profundo e complexo do que “Q.I.”, quero tocar na essência, observar sutilmente essa metamorfose ambulante...
Rotina; Trabalho, faculdade, academia, lazer, estudos, reflexão, religião...
Não necessariamente todos itens nem a ordem.
Chega fim de semana, pra relaxar, vulgos “baladeiros”, geral vai pra noitada se divertir, beber fumar (cigarro ou Cannabis ), dançar funk, samba, hip-hop, e beijar na boca.
Às vezes acontece a troca de telefones (MSN, Orkut). Mas n’outro dia esquece onde colocou o papelzinho, ou simplesmente prefere não lembrar, ou talvez tem que jogar fora pro “companheiro” não descobrir! Pior que na maioria das vezes o ato de “pegar” quando não há um interesse considerável, já ficou involuntário, mero costume. Como uma “droga”, causa dependência, e quando você não tem/usa, vem a abstinência. Em seguida a repetição, logo o alívio imediato, surge então um ciclo vicioso que contamina a “galera”.
Abstinência “é uma coisa que deixa a gente inquieto”, faz sentir um vazio. E a sensação de saciedade é sempre efêmera...

Mas será que vazio é quem ta com essa “abstinência” de diversão, de “pegação”, noitada, paquera... Ou vazio é quem se abstém de tudo isso e as vezes fica em casa, ou só faz programas “light’s”, fica “parado”, é taxado de careta, “desanimado”, excêntrico, DIFERENTE!!.
Por que “badalar” ta na moda!!

Este é um dos motivos de minha tristeza, cada vez que saio pra uma “noitada” volto desiludida, vazia, decepcionada!
Homens jovens, mulheres novas, jovens homens, novas mulheres...

Pra onde foi, a cumplicidade? O companheirismo, a fidelidade?! A entrega...
A Soma!
É raridade hoje.
E quem quer compromisso, não se compromete mais!
Tradição?! Comodidade?!
Será que as pessoas têm medo de se machucar? Medo de gostar e depois não ter mais? Como se gostar fosse uma "ameaça", e realmente é, diante do perigo e o risco que se corre ao sair de casa... Falta de segurança, excesso de frieza. Cada dia mais egoístas e solitárias...

Por via das dúvidas, é melhor ficar em casa no frio do ar condicionado, ele esfria o corpo e não congela o coração!

Nsse mundo novo, junto com o aquecimento global tudo fica muito “quente”, o "calor humano" virou um "fogo ardente" pervertido, que junta os corpos e afasta a alma o coração, desvirtua a existência.

São mudanças que afetam diretamente a saúde da mente, do corpo, da alma...
Destruindo o presente mais valioso de Deus, o AMOR!


- Isso é um assalto!!! Desce do carro aí Tia, passa a bolsa os celular e e as jóias que ta usando!
(...)

- Pode levar tudo mas por favor não leve os documentos, e nem minha alma!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009


"Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo.
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.
Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo. Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram... Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer:
- E daí? EU ADORO VOAR!"



PS: Li esse texto em algum lugar, e por nao ter a certeza de sua autoria, por falta de um conhecimento especifico sobre o autor, prefiro somente deixar entre aspas, para destacar que nao e' de minha autoria!